Igreja
14 de abril de 2020 Scalabrinianas pedem que migrantes e refugiados não sejam esquecidos
Irmã Neusa disse, também que “graças à solidariedade e à unidade, poderemos vencer essa pandemia e levantar a economia que nestes momentos está de joelhos. ”

 

 

POR ROSINHA MARTINS

DE SANTO ANDRÉ – SP

 

A Superiora Geral das Scalabrinianas, Irmã Neusa de Fátima Mariano pediu que, diante da crise pandêmica do coronavírus as comunidades internacionais não esqueçam dos migrantes e refugiados e das condições precárias e insalubres nas quais se encontra grande parte deles.

 

“A crise imposta pelo coronavírus não pode fazer com que se abandone o trabalho que está sendo feito para proteger os últimos. O chamado do Santo Padre não pode cair no esquecimento, mas deve dar como fruto uma nova melhoria das comunidades, das instituições e das realidades de saúde que estão comprometidas de diferentes formas”, afirmou à Agência Fides.

 

Irmã Neusa disse, também que “graças à solidariedade e à unidade, poderemos vencer essa pandemia e levantar a economia que nestes momentos está de joelhos. ”

 

Para a Superiora Geral, uma relação matemática entre os refugiados e a pandemia seria discriminatória. "Não podemos fazer a equação 'COVID-19 igual a migrantes' ou dizer que os migrantes são imunes a esse vírus."

 

Irmã Neusa fez menção à situação desumana e insalubre na qual tem vivido os imigrantes e refugiados, independentemente da crise atual. “Gostaríamos de chamar a atenção para as condições nas quais os migrantes vivem nos centros de acolhida. A promiscuidade e as condições de saúde precárias não deveriam existir. Hoje, a higiene do local onde estão é mais essencial do que nunca. Isso vale para eles, mas também para as muitas pessoas que vivem nos lares de idosos”, concluiu.

 

Ouça em nosso Podcast: http://www.missionariascalabrinianas.org.br/ScalaCast.aspx

 

Sobre as Scalabrinianas

 

Denominada desde a fundação, há 125 anos, como  Missionárias de São Carlos Borromeo-Scalabrinianas, a Instituição tem como missão, acolher, proteger, promover imigrantes e refugiados no mundo.

 

Presentes em 27 países, as Scalabrinianas foram fundadas em 1895 para prestar um serviço evangélico e missionário aos imigrantes órfãos filhos de italianos em São Paulo. Juntamente com estes eram acolhidos nos orfanatos crianças afro-brasileiros. Mais tarde, a Congregação passou a atender todos os tipos de mobilidade humana: migrantes internos, imigrantes, emigrantes, refugiados, ciganos, circenses, caminhoneiros, marítimos, aviação civil, dentre outros. Atuam em centros de acolhida, campos de refúgio, missão itinerante e situações de emergência.

 

Fonte: Imprensa Scalabriniana

 

 

Siga as Scalabrinianas:

 

  1. Siga-nos nas Redes Sociais
  2.  
  3. Facebook oficial: https://www.facebook.com/scalabrinianaspmmm/

    Podcast “SCALAcast: https://soundcloud.com/scalacastscalabrinianas

     http://www.missionariascalabrinianas.org.br/ScalaCast.aspx

    Youtube: Missionárias Scalabrinianas sp

https://www.youtube.com/channel/UCSdaJ6Dexb_6vpSGtXRThwg/videos

 Twiter: @Scalabrinianasp

 

Imprensa Scalabriniana: imprensascalabrinianasp@gmail.com

 

Fonte: Imprensa Scalabriniana - SP

 

 

 



ver mais notícias


Receba nossa newsletter Assine nossa newsletter e receba novidades por e-mail
Seu E-mail foi cadastrado com sucesso!
OpsSeu E-mail já está cadastrado em nosso newsletter!
ATENÇÃOO formato do e-mail está incorreto.
© Missionárias Scalabrinianas. Todo o conteúdo deste site é de uso exclusivo de Missionárias Scalabrinianas. Proibida reprodução ou utilização a qualquer título, sob as penas da lei. All rights reserved.